Notícias

EletroMetalCon debate Plataforma BIM, tendência na construção civil


A Plataforma BIM (Building Information Modeling) foi tema da 9ª Feira Eletromecânica e Construção Civil 2013 – EletroMetalCon, em Londrina, na semana que passou. Última tendência em construção civil, trata-se de um modelo de organização de informação em 3D que impacta positivamente na produtividade de todo o processo construtivo, a começar pelo projeto. A Plataforma BIM permite ainda representar, de forma consistente e coordenada, toda a informação sobre um projeto.

A arquiteta Mariana Moro, que falou sobre o tema “Plataforma BIM e sua implementação: como, quando e por quê?”, durante o evento, disse que o sistema já é utilizado no Brasil por alguns setores da construção civil, sendo muito incipiente em outras áreas, e em diferentes níveis.

“Temos alguns exemplos do BIM sendo usados em sua máxima potência, com todos os agentes envolvidos com a tecnologia. No entanto, esses casos ainda são raros. Os incorporadores e construtores ainda não exigem, em sua maioria, que os projetos sejam desenvolvidos em BIM”, afirmou Mariana Moro, durante a sua palestra, uma parceria entre Sebrae/PR, Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon Norte/PR) e Conselho de Engenharia e Arquitetura de Londrina (CEAL).

Para a especialista, os arquitetos já estão usando a tecnologia há alguns anos, enquanto os engenheiros, em geral, ainda sentem muita dificuldade na utilização do sistema, uma vez que as normas dos países de origem dos softwares diferem das brasileiras.

Na opinião do consultor do Sebrae/PR Ricardo Magno, as empresas devem se preparar para a adoção da Plataforma BIM. “É uma tendência mundial e representa uma revolução em relação aos sistemas de CAD mais convencionais. O modelo diminui o risco de ocorrência de erros no projeto, além de aumentar os níveis de produtividade das empresas”, argumentou o consultor do Sebrae/PR.

As empresas devem começar a se preparar para implantar a tecnologia, por meio de um planejamento que deve levar em consideração os custos de hardware, software e treinamento de equipe.

Segundo Mariana Moro, as empresas precisam se preparar para um primeiro impacto de perda de produtividade, já que os profissionais estão em fase de adaptação frente às novas exigências impostas por esse tipo de tecnologia, que tem um custo inicial significativo. “É preciso avaliar se será criado um novo departamento de implementação interno, ou se uma consultoria ajudará na tarefa. Depois de alguns meses de utilização, a produtividade é atingida e começam a surgir os benefícios.”

Gerson Guariente, presidente do Sinduscon Norte/PR, disse, durante a EletroMetalCon, que as mudanças na área de produções de projetos serão muito importantes para o futuro da construção civil – setor que passa por um momento de transformações tecnológicas e relacionadas a materiais.

Ele destacou que, na indústria da construção civil, os protótipos são definitivos, e que os erros eventuais são corrigidos nos canteiros de obra. No entanto, a adoção do sistema 3D permitirá que as falhas sejam corrigidas no próprio projeto. “Teremos a plototipagem virtual, em escala real, que permitirá que as empresas testem seus projetos antes da execução da obra”, assinalou.

Incentivo – O debate em torno da Plataforma BIM foi mais uma ação do Sebrae/PR e parceiros, que visa chamar a atenção dos empreendedores sobre a importância de investir em inovação para se manter competitivo no mercado.

Fernando Galindo, diretor da construtora Galmo, em Londrina, elogiou a iniciativa. Ele acredita que é importante discutir a nova tecnologia num ambiente onde estão envolvidos todos os elos da cadeia da construção civil, para que a utilização da Plataforma BIM seja satisfatória. “Nos grandes projetos, trabalhamos com uma equipe formada por 15 empresas. Toda a cadeia precisa implantar o modelo para que haja um salto tecnológico.”

Na opinião de Fernando Galindo, a Plataforma BIM é um grande avanço na área de projetos e permite a geração de uma obra com mais qualidade e sustentabilidade e menos desperdício. “Pretendemos implantar a tecnologia e estamos estudando os fornecedores”, assinala.

Rodada tecnológica – Após a palestra, o Sebrae/PR coordenou a  Rodada Tecnológica Plataforma BIM, que apresentou para os empresários fornecedores de software que disponibilizam o sistema.

Para Emileine Nishikawa, representante de vendas da Grapho Software, um dos fornecedores participantes da rodada, a experiência foi importante. “É uma forma de estreitar o contanto com os clientes e também uma oportunidade para apresentar as novas tecnologias e tirar dúvidas sobre os produtos”, avaliou.

Ela acrescentou ainda que o formato da rodada foi interessante. “O público era bem direcionado e a experiência foi boa para os dois lados.”

Para encerrar o debate em torno das novas tecnologias, no dia 26 de abril, durante a manhã, fornecedores no ramo de projetos digitais apresentaram produtos e esclareceram as dúvidas do público no auditório do Sinduscon.

Para Ricardo Magno, o setor da construção civil em Londrina já é atualizado e conta com estrutura para receber as novas tendências mundiais e investimentos em inovação com padrões internacionais de projetos.

A 9ª EletroMetalCon foi realizada de 23 a 26 de abril, na sede administrativa do Senai em Londrina. O evento foi uma promoção do Senai-PR, Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Londrina (Sindimetal Londrina) e Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon Norte/PR).


Leave a Comment